sexta-feira, 28 de maio de 2010

 
marca
INFORMATIVO DMA/22_ 28 DE MAIO DE 2010

SEXTA Ecológica - dia 2 de junho

SIN
Superintendência de Infraestrutura
DMA
Divisão de Meio Ambiente da UFRN
DMA Comunica
dmacomunica@infra.ufrn.br
Integrando as ações ambientais da UFRN







Centro de Biociências da UFRN promove Semana de Meio Ambiente
Na semana em que se comemora o Dia do Meio Ambiente, o Centro de Biociências promove o SEMA-CB, evento que visa discutir aspectos relevantes relacionados à problemática ambiental, particularmente em nosso Estado. Serão três dias de atividades, a partir da segunda-feira, dia 31 de maio. Mesas redondas e filmes serão realizados em torno de temas como a problemática da Água, Saúde e Agrotóxicos. A palestra "Contaminação do solo em face à nova Resolução do CONAMA e a geração de resíduos" será proferida pelo prof dr João Batista, da Promotoria de Meio Ambiente. Lançamento de livros de autores do CB e exposição fotográfica também farão parte da programação. A programação completa da SEMA-CB pode ser conferida na p&a acute;gina do CB ou no Portal de Meio Ambiente da UFRN.
O Centro de Biociências também irá participar da SEXTA Ecológica, que acontecerá no próximo dia 2, no Centro de Convivência. Através do PRODEMA, seus alunos e pesquisadores estarão divulgando a pesquisa e campanhas educativas em torno do lagarto de folhiço, espécie endêmica do Rio Grande do Norte encontrada no Parque das Dunas. Um terrário com um exemplar da espécie, e um cordel ilustrado farão parte da campanha de informação. A jornalista e tecnóloga em meio ambiente Daisy do Carmo Sousa - mestranda do Prodema, realizará a palestra “O lagarto-de-folhiço como estratégia educativa para o Parque das Dunas".
Para participar da SEMA-CB e da SEXTA Ecológica não é necessário fazer inscrição prévia. Para as oficinas da SEXTA Ecoógica, recomenda-se aos interessados chegar com 30 minutos de antecedência. Os dois eventos da UFRN são gratuitos.
Centro de Biociências-CB
O Centro de Biociências-CB é composto por quatro Cursos de Graduação: Aqüicultura, Biomedicina, Ciências Biológicas e Ecologia, e sete Cursos de Pós-Graduação, sendo seis de Mestrado: Genética e Biologia Molecular,Bioecologia Aquática, Bioquímica, Comportamento Animal, Ciências Biológicas e o Prodema – Programa de Desenvolvimento do Meio Ambiente.
Psicobiologia é o curso ofertado no programa de Doutorado.
Atendendo à demandas externas, o CB recebe ainda cerca de 1.280 discentes oriundos dos cursos de graduação de Medicina, Odontologia, Fisioterapia, Enfermagem, Educação Física, Nutrição, Zootecnia e Farmácia. Os alunos cursam todo o básico no Centro.
PRODEMA
PRODEMA - Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, o PRODEMA é uma proposta interdisciplinar, interinstitucional e intra-regional, da qual participam oito Universidades nordestinas (UFPI,UFC, UFRN, UFPB, UEPB, UFPE, UFS e UESC).
O Subprograma da UFRN contempla o Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente, que inclui duas Linhas de Pesquisa: 1. Estrutura, Funcionamento e Sustentabilidade dos Ecossistemas ; 2. Cultura e Desenvolvimento.
O objetivo do PRODEMA/UFRN é integrar os diferentes saberes e competências para a formação de profissionais qualificados em nível de Mestrado, capazes de contribuir para o equacionamento dos problemas sócio-ambientais em prol do Desenvolvimento Sustentável da Região Nordeste.
Na UFRN o Programa encontra-se sediado no Centro de Biociências na UFRN, mas CCHLA, CCET e CT também integram esta proposta.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Rabequeiros e a busca por um “ELDORADO”

Completando a programação artística da mostra, dias 25 e 26 de maio, “ELDORADO”, um solo de Eduardo Okamoto cujo processo criativo foi fundado no estudo sobre a rabeca – instrumento de arco e cordas, parecido com violino, presente em muitas manifestações da cultura popular do Brasil. Em pesquisas de campo nas cidades de Iguape e Cananéia (litoral sul de São Paulo), o ator conheceu rabequeiros e seus construtores, recolheu causos, músicas, gestos, ações vocais, histórias etc. O premiado dramaturgo argentino Santiago Serrano partiu destes materiais primeiros para criar a fábula de um cego que, acompanhado por uma menina, busca o seu bom lugar: “ELDORADO”.  O espetáculo é dirigido por Marcelo Lazzaratto que, em sua concepção de encenação, emprega pouquíssimos recursos materiais, transferindo para o corpo do ator, para o uso da palavra e para a iluminação as tarefas de significação. Sobre o palco nu, destaca-se pela luz a presença de um homem cego que anda em círculos e imagina, cria, inventa realidades em busca do conhecimento.
         “ELDORADO” participou de alguns dos mais importantes eventos e festivais do país, entre os quais se destacam o Festival Internacional de Londrina, o Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto, a Mostra Cena Contemporânea de Brasília e o Caxias em Cena, entre outros. Por sua atuação, Eduardo Okamoto foi indicado ao Prêmio Shell 2009, a mais prestigiosa premiação do país, na categoria de melhor ator.
“ELDORADO”
– dias 25 e 26 de maio, às 20h, na Casa da Ribeira;
- classificação 12 anos;
- R$ 14 inteira e R$ 7 estudante.

Cris Simon
84-8868.7137

(recebido por e-mail)

sexta-feira, 21 de maio de 2010

“Entre Nós”
Prêmio Klauss Vianna/FUNARTE
 
“Entre Nós” estreou em setembro de 2009, passando pelas cidades de Mossoró, Caicó, Santa Cruz e São Gonçalo do Amarante, sempre com grande aceitação pelo público. Após as apresentações, convidamos o público para um bate papo, sobre o tema, sempre inquietante, do isolamento do homem na sociedade atual. Para nossa surpresa, tanto no interior, como em Natal, a aceitação do debate foi imensa. Mais de 30 minutos de indagações e reflexões acaloradas. Em outubro, as apresentações na Casa da Ribeira, dentro do projeto “Cena Aberta”, foi sucesso de crítica e público. Satisfação plena por parte da equipe, pela realização de um trabalho que, sem dúvida, se tornará um marco na arte contemporânea do nosso estado.
 
Crítica: Chico Alves  
“Feito de muita prática, exercícios bioenergéticos e do-ação, este é um espetáculo de arte a favor da amorosidade, da expressão pela afirmação do afeto, busca de amor e completude, (des)construçã o que consegue sintetizar formas, juntar visão e coração, num amontoado de discussões, questionamentos, lembranças, onde ninguém ilumina a cena para dirimir o conflito que não se resolve porque restam ainda muitas duvidas”.  


 Entre Nós (Dança-Teatro)
Direção: Diana Fontes
Texto: Cláudia Magalhães
Casa da Ribeira – Projeto Cena Contínua
Dias: 03, 04 e 05 de junho 
Hora: 20hs
Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00
Ingressos antecipados: Espaço Vivo (3089.0021)

(recebido por e-mail) 
ULTRAJE!
Dia 22 de Maio
às 20h
no Teatro Alberto Maranhão

            Uma enfermeira hipocondríaca, uma professora que tem pavor de crianças e uma rica que quer ser pobre. Estas e outras personagens, tão reais quanto absurdas, estão reunidas no espetáculo Ultraje da Elas&Cia
           
            Dividido em pequenos e ácidos monólogos, este espetáculo tem uma linguagem rápida, direta e divertida, construído nos moldes dos espetáculos que vêm sendo apresentados há muito tempo nas grandes metrópoles.
           
            Ultraje é descontraído, mas nada rasteiro ao alfinetar de forma inteligente certos personagens da vida real.
           
            O texto é assinado por Marcio Benjamin com direção geral de Márcia Lohss. No elenco: Adriana Borba, Harlane Rodrigues, Márcia Lohss, Oswin Lohss, Ramona Lina, Rebeka Carozza e Recy Freire.
(recebido por e-mail)

quarta-feira, 12 de maio de 2010

BIBLIOTECAS HOMENAGEIAM POETAS NASCIDOS EM MAIO

A Biblioteca Prometeu Itinerante e Biblioteca Betty Coelho promovem
dia 25 de maio às 19 horas no Centro Cultural da Barroquinha, mais uma
edição do projeto Viva a Poesia Viva, desta vez homenageando os poetas
baianos Adelmo Oliveira, Almandrade, José Carlos Limeira e Lita
Passos. que terão seus poemas interpretados por poetas, atores e
atrizes. Em paralelo, uma exposição com fotos e poemas dos quatro
artistas nascidos no mês de maio.

Viva a Poesia Viva - Poetas de Maio
25 de maio (terça-feira), às 19 horas
Centro Cultural da Barroquinha
(antiga Igreja da Barroquinha)
Praça Castro Alves-Salvador-BA

- Entrada franca
--------------------------------------------------------
|Poemas - Almandrade


UMA PINTURA

O paraíso
contorna o olhar
do pintor.
Sede de ver
natureza morta
sem asas.
Meditações
de um pincel
que disseca
a beleza.

Almandrade
----------------------


A memória da pintura
registra
as aventuras do gesto
o tempo secreto
é um tema
que faz do belo
um mistério
sobre o mundo.

Almandrade
-----------------------


PONTO DE FUGA

Que indagação faz
o umbigo feminino
quando aparece entre
uma peça e outra
da veste?
Intimidade
sensualidade.
Nem mesmo
a musicalidade dos pelos
é maior que o apelo
da cicatriz do nascimento.

Almandrade
(recebido por e-mail)

Projeto Gambiarra

Neste Sábado, 15 de maio, às 19 horas no TECESol, será realizado mais um Projeto Gambiarra: Espaço de Experimentação Artística.

Nessa edição teremos: o 1º Bodeart - Performance/Natal
Com performances espalhadas nos diversos espaços do TECESol, venha e participe.

Mais informações no nosso Blog: facetasmutretas.blogspot.com ou no projetogambiarra.blogspot.com

Facetas, Mutretas e Outras Histórias

terça-feira, 11 de maio de 2010

Projeto Ricardo III

informativo do grupo de teatro clowns de shakespeare 10 a 16.05.2010 | ano 03 | n°54
 
Projeto Ricardo III começou!



Na semana passada, o projeto de montagem do espetáculo Ricardo III, com direção de Gabriel Villela, começou a sua primeira etapa. O diretor musical Ernani Maletta esteve em Natal para este trabalho inaugural, preparando o elenco para o trabalho vocal e instrumental que será utilizado no espetáculo. O espetáculo Ricardo III tem previsão de estreia para novembro, e conta com o patrocínio da Oi, BNB, e apoio do Prêmio Myriam Muniz de Teatro/Funarte/Ministério da Cultura/Governo Federal.



Caravana Rumos chega a Natal

Nesta quarta-feira (12), às 19h, Natal recebe a Caravana Rumos 2010, que trará uma equipe do Itaú Cultural para o lançamento dos editais do programa, com destaque para a edição de Teatro, lançado pela primeira vez. O evento contará com a gerente do Núcleo de Artes Cênicas do instituto, Sônia Sobral, e com o dramaturgo e diretor José Fernando de Azevedo, do coletivo Teatro de Narradores, que fará uma palestra sobre teatro de grupo. O Rumos Teatro apoia o intercâmbio entre grupos de teatro profissionais empenhados num projeto continuado de pesquisa. O edital não exige prestação de contas, apenas as contrapartidas de manutenção de um blog sobre o desenvolvimento da pesquisa e um encontro, no Itaú Cultural em São Paulo, onde os grupos mostrarão os resultados até então alcançados. Para conhecer o regulamento completo e mais informações, clique aqui.

 
 Curtinhas
- Nosso iluminador Ronaldo Costa defendeu a sua dissertação de mestrado Iluminação cênica e a construção do espetáculo: uma abordagem pedagógica. Sua pesquisa foi aprovada com distinção e indicada para publicação. Parabéns, Ronaldo!
- Recebemos a Cia. Fulanos ih! Sicranos, de Maceió (AL), para uma residência no Barracão Clowns. Esta residência consistiu em um processo de re(des)construção do espetáculo Contos de Cordel, além de uma consultoria de gestão de grupo e produção, numa semana muito especial de trabalho.


Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare. Rua Amâncio Ramalho, n° 08. Lagoa Nova.
Natal - RN. CEP 59056-080. Fone: (84) 3221.1816 (à tarde)

Lançada a Rede Potiguar de Música

"no dia 04 de maio foi realizado
o lançamento da Rede Potiguar de Música.
a Rede surgiu como resultado das oficinas de capacitação em negócios da música, realizadas no último trimestre de 2009 em Natal.
as oficinas foram garantidas pelas instituições que as articularam junto ao MinC a partir de uma ação de convencimento de membros do grupo Locau! a agência cultural do Sebrae/RN.
as reuniões ordinárias dessa rede acontecem todas as primeiras segundas de cada mês, às 17h. as pautas são definidas com alguma antecedência em virtude das demandas específicas do setor, levando-se em consideração um plano estratégico traçado pelos membros dessa rede nos primórdios dos seus encontros.
foram formados alguns GT’s (Grupos de Trabalho) e outros poderão ser iniciados a qualquer momento, dependendo da necessidade e também da capacidade de gerenciamento dos que os querem compor.
basicamente um GT discute entre si propostas que são apresentadas para apreciação na reunião mensal da rede, que através de sua plenária avalia o conteúdo e o interesse de cada tópico, endossando ou não uma ação/opinião coletiva.
eventualmente uma reunião extraordinária da rede pode vir a acontecer, desde que decidida por sua maioria, justificando sua ocorrência.
chamada Rede Potiguar de Música, vai mais além: não reúne apenas instrumentistas e/ou compositores, mas sim a diversidade de profissionais que se agregam na dita cadeia produtiva do segmento (estúdios, jornalistas, produtores etc, por ex.), ... outra coisa – embora ainda contemos com pessoas que estão apenas na região metropolitana da capital, nossa intenção é alcançarmos cada vez mais longe outros pólos do RN.
por ora, para fazer parte, é imprescindível vir pessoalmente até nosso encontro presencial, solicitando após isso a sua auto-inclusão, comprometendo-se com os objetivos que estamos buscando alcançar unidos.
mais um detalhe: a rede não é uma instância jurídica formalizada, nem substitui o Fórum Potiguar de Música instituído durante o implante das câmaras setoriais pelo MinC, até aqui ainda o único instrumento deliberativo para as políticas públicas da classe musical no estado (do qual somos representantes eleitos eu Esso Alencar, Anderson Foca e Paulo Sarkis, este último também empossado recentemente como suplente do Colegiado Setorial de Música no Conselho Nacional de Políticas Públicas).
obs. uma rede é um tecido trançado com muitos nós, alinhavados por sistemáticas discussões sobre seus propósitos comuns, planificando sua estrutura, possibilitando a divisão de tudo quanto tiver relação com esse conjunto.
moral: uma rede não é um cara só."

(enviado por Sítio do Esso)

Bardallo’s comemora aniversário em grande estilo

A festa de aniversário de 5 anos e um mês do Bardallo’s Comida & Arte promete muito agito. São Pedro está colaborando e a festa vai rolar no dia 15 de maio. O local é o jardim do Palácio da Cultura, na Cidade Alta. Dessa vez, os trabalhos musicais serão abertos às 20 horas pelo grupo de samba de raiz Roda de Bambas. Em seguida, a Orquestra Boca Seca sobe ao palco para fazer todo mundo dançar. Fechando a noite, a banda DuSouto incendeia o evento com sua mistura de sons e ritmos contagiantes.        
SERVIÇO:
Festa de 5 anos e um mês do Bardallo’s.
Onde? Jardim do Palácio da Cultura. Cidade Alta.
Quando? 15 de maio de 2010, às 20 horas.
Quanto? R$ 7,00 (antecipado) / R$ 10,00 (na hora).
CONTATOS:
Bardallo’s – 3211.8589 / 94094440.
Paulo Jorge Dumaresq – 99535846.
(recebido por e-mail)

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Ensaio de Márcio de Lima Duarte


MENINOS DE SÍTIO: ETNOGRAFIA, MEMóRIA E AFETO

                                                                                              Márcio de Lima Dantas
                                                                              Professor de Literatura Portuguesa da UFRN
                                               7marciodantas7@gmail.com


O memorialismo, na sua visão mais ampla, inclui além dos livros de memória, diários íntimos, cartas, confissões e autobiografias, inscrevendo-se como um gênero literário, mesmo que o autor queira imprimir ao texto um caráter de objetividade. Essa literatura de extravasamento do eu como que acontece pela necessidade de preservar e repartir o vivenciado, de reviver, através de um olhar em direção ao passado, experiências que se desejam conhecidas. Com efeito, não se trata apenas de valorizar o ontem em oposição ao presente, mas uma tentativa de fixar reminiscências como paisagens de grandes murais para serem vistas através da janela do tempo.
 Nesse sentido, muitas vezes a escansão cronológica e o tempo interior se fundem num só amálgama capaz de resguardar as imagens evocadas pela memória, mesmo que em alguns autores, infelizmente, esteja eivado de saudosismo idealizador daquilo que foi vivido no passado, morto e sepultado. Como gênero delimitado no campo literário, as memórias podem adquirir um caráter agridoce, aproximando-se assim do romance ou mesmo da tragédia; por vezes, encontra-se plena de um olhar perscrutador capaz de deixar vestígios de história, etnografia ou sociologia no corpo do texto, adquirindo um alto valor social e humano.
É o que sucede no livro, em 2 ed., “Meninos de sítio: falando sobre cultura sertaneja” (BEZERRA, Celina; ARAÚJO, Laércio Bezerra de; AMMANN, Safira Bezerra. Natal: Gráfica Nordeste, 1997), cujos capítulos tratam com propriedade e zelo  dos costumes e sensibilidades que o tempo, como é natural, acabou por substituir por formas mais condizentes com o espírito da época.  Sendo assim, o livro entalha-se como notável contribuição aos estudos de natureza sócio-estético-antropológica, na medida em que se deterá sobre a cultura material e espiritual de uma cidade do interior norte-rio-grandense; outrossim, pode ser compreendido como a forma de um viver sertanejo vinculado à região do Seridó, comarca que durante eras foi resguardadora das nossas tradições vinculadas à agropecuária, detendo hábitos bastante peculiares; curiosamente, sempre foi um celeiro de talentos para alimentar o nosso cabedal de homens voltados para a ciência e a arte (pintores, pesquisadores, jornalistas, escritores).
O livro é uma excelente solução de continuidade a uma linha do memorialismo de autoria feminina da literatura norte-rio-grandense, que tem um dos seus mitos fundantes no livro OITEIRO: MEMóRIAS DE UMA SINHÁ-MOÇA de Magdalena Antunes, no qual há uma mescla de subjetividade aliada aos conteúdos de caráter histórico e etnográfico. Outros dois bons livros alinham-se nesse veio de minério tão precioso, a saber: A VIDA EM CLAVE DE DOR de Zenaide Costa (São Miguel) e CARTAS DA INFÂNCIA de Lêda Gurgel (Timbaúba dos Batistas). Todas elas detém um traço em comum, a linguagem eivada de afeto desenha o micro e o macro com precisão e forte poder descritivo, quase que obrigando o leitor a uma saudável empatia com os costumes rememorados.
            Acredito que em MENINOS DE SÍTIO haja um maior cuidado em deixar codificado, para as pósteras gerações, o modo de vida nas fazendas sertanejas, pois é possível encontrar de maneira detalhada costumes do sertão do nunca-mais, tão caro a Oswaldo Lamartine, que nos revelou um universo físico e cultural fascinante e pleno de riquezas paisagísticas, bem como as criativas soluções do homem no seu embate com as forças físicas.