quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Excursão Fotográfica com Adrovando Claro

"Tenho duas propostas de viagens de fotografia para a segunda quinzena de janeiro(dias 22 e 29, 30 e 31) e gostaria de ter um retorno imediato de
fotografo(a)s e ver se há aprovação de um grupo de interessados pelos
seguintes roteiros:

Natal - Olinda - Recife - Natal (dia 22) - micro onibus para ir ao
centro historico de Olinda(arquitetura das igrejas barrocas, casas,
vielas, bonecos, frevo, etc) pela manha(ja temos um guia por la e
precisamos apenas contribuir com um trocado) e a tarde visitar o
Instituto Brennand em Recife(fotos de arte, esculturas e armaduras do
seculo XVIII). Um bate-volta, sai daqui no primeiro minuto de uma
sexta-feira de madrugada e retornar no final da tarde da mesma sexta.
Grupo de 20 pessoas interessada por fotografia.
Valor a ser didivido pelo grupo: NATAL - OLINDA - RECIFE - NATAL (BATE
E VOLTA)*
Valor do Micro R$ 1.322,50 (Hum mil trezentos e vinte e dois reais e
cinquenta centavos) - sai em torno de R$ 66,50 para cada.
Despesas de cafe da manha, almoço e lanches por conta de cada um.

Natal - Juazeiro do Norte - Natal(dias 29, 30 e 31) - um micro onibus,
com estadia na cidade. Visita ao horto(estatua de Padre Cicerto), fotos
de romeiros, etc e a casa de Padre Cicero, igrejas, shopping, etc.. Sai
numa sexta pela manha e retorna no domingo de meio dia. Grupo de 20
pessoas interessadas por fotografia.
NATAL - JUAZEIRO - NATAL (PACOTE COM TRANSPORTE E HOSPEDAGEM EM
JUAZEIRO) - Despesas de almoço, jantar e lanches por conta de cada um.
*Valor a vista do pacote por pessoa:
Apto. Single R$ 385,00 (uma pessoa por apartamento)
Apto. Duplo R$ 294,00 (duas pessoas por apartamento)
Apto. Triplo R$ 255,00 (tres pessoas por apartamento)

Valor parcelado no cheque por pessoa (1+3 no cheque):
Apto. Single R$ 402,00
Apto. Duplo R$ 306,00
Apto. Triplo R$ 266,00

*O Micro onibus será da Gleyce Tur. Confirmar interesse por uma ou as
duas viagens ate dia 13. Formado o grupo de fotografia interessado
pelo(s) roteiro(s), o pagamento sera antecipado para formar reserva da
viagem na propria agencia de turismo em data a ser confirmada. Eu levo
nome e fone de contato e cada um vai pagar sua viagem na agencia.
Reafirmo que a intençao da viagem é meramente para fotografia, será de
ritmo intenso pelo pouco tempo de duraçao, exceto os intervalos de cafe
da manha e almoço (e jantar e hospedagem se for o caso de formar grupo
para Juazeiro).
É pedida ideal para fotografo(a) s interessados em formar banco de
imagens, ter imagens em arquivo para concursos de fotografia e mostra
de fotografias.

Aguardo retorno."

--
http://apofotonatal .tripod.com
www.lulu.com/ adrovando
http://adrovando. tripod.com
www.fotolog. net/fotojornada
www.blogger. com.br/fotolheto
http://centraldefot ografos.tripod. com
http://lojadafoto. tripod.com
http://fotojornal. tripod.com
www.gigafoto. com.br/apofoto
http://ofoco. tripod.com

(recebido por e-mail)

Um comentário:

Atualizações via email disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA...




"As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!" Otoniel Ajala Dourado




O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA


No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado por forças do Exército e da Polícia Militar do Ceará no ano de 1937, contra a comunidade de camponeses católicos do Sítio da Santa Cruz do Deserto ou Sítio Caldeirão, que tinha como líder religioso o beato "JOSÉ LOURENÇO", paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre Cícero Romão Batista, encarados como “socialistas periculosos”.



O CRIME DE LESA HUMANIDADE


O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como se fossem juízes e algozes.



A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS


Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará foi de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO / CRIME CONTRA A HUMANIDADE é considerado IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira bem como pelos Acordos e Convenções internacionais, e por isso a SOS - DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza - Ceará, ajuizou no ano de 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo que: a) seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) sejam os restos mortais exumados e identificados através de DNA e enterrados com dignidade, c) os documentos do massacre sejam liberados para o público e o crime seja incluído nos livros de história, d) os descendentes das vítimas e sobreviventes sejam indenizados no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos



A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO


A Ação Civil Pública inicialmente foi distribuída para o MM. Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, redistribuída para a 16ª Vara Federal na cidade de Juazeiro do Norte/CE, e lá chegando, foi extinta sem julgamento do mérito em 16.09.2009.



AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5


A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife, com os seguintes argumentos: a) não há prescrição porque o massacre do Sítio Caldeirão, é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos das vítimas do Sítio Caldeirão não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do Czar Romanov, que foi morta no ano de 1918 e encontrada nos anos de 1991 e 2007;



A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA


A SOS DIREITOS HUMANOS, a exemplo dos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo desaparecimento forçado de 1000 pessoas do Sítio Caldeirão.


QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA


A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem encontrar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes procurados na Chapada do Araripe mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?



A COMISSÃO DA VERDADE


A SOS DIREITOS HUMANOS solicita apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e também que o internauta divulgue esta notícia em seu blog, e o envie para seus representantes na Câmara municipal, Assembléia Legislativa, Câmara e Senado Federal, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal que informe a localização da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão.



Paz e Solidariedade,



Dr. OTONIEL AJALA DOURADO
OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
Presidente da SOS - DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br
sosdireitoshumanos@ig.com.br