terça-feira, 7 de agosto de 2007

20."Estética da multidão": o texto de Bárbara Szaniecki

Em si, a internet é, provavelmente, o que há de mais democrático no planeta. Os blogs, por exemplo: há-os sobre tudo e até sobre (quase) nada. Há blogs de feitio 'acadêmico', co-adjutores dos processos de conhecimento. Destaco, neste momento, o Canal Contemporâneo-Blog do Canal. Nele há um vasto e estimulante texto de Bárbara Szaniecki sobre a estética visual (cartazes) e política, nestes incertos tempos. Chama a atenção o tópico "Estética da multidão", em que ela comenta um livro de sua autoria:

"Estética da multidão
Em Estética da Multidão, analisei processos que, por serem muitos, são avessos a toda forma de classificação e que, por estarem sempre em mutação, são avessos a toda forma de captura. O avesso do avesso do avesso do avesso: subversões, inversões, carnavalizações e semiofagizações propostas pelas lutas sociais globais no império contemporâneo. Mimetizando seus movimentos, transitei da teoria política às práticas estéticas experimentando, para além das aparências acadêmicas, um tateamento despretensioso dos terrenos estético e político que me permitiu evitar as certezas totalitárias de cada campo específico. Ao final do livro, baseando-me em Poder Constituinte de Negri (ou seja, a partir de um “fora” do campo constituído das Artes), abordei a subversão de um espetáculo midiático (a legitimação da guerra do Iraque pelas imagens catódicas da queda da estátua de Saddam em Bagdá) em evento multitudinário (a crítica da guerra através do irreverente tombamento de uma falsa estátua de Bush em Londres). Do ritual ao inesperado: procurei o léxico adequado para dizer o que até então era indizível ou mal-dito."

Leia o texto integral em:
http://www.canalcontemporaneo.art.br/blog/archives/2007_05.html
(foto:http://www.unisinos.br/ihu/index.php?option=com_entrevistas&Itemid=29&task=entrevista&id=6095

Barbara Szaniecki é formada em Design pela École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs, na França. Atualmente, é doutoranda no Departamento de Artes e Design da PUC-Rio.

No mesmo sítio da foto, a pesquisadora apresenta as questões que conduziram sua investigação. O que ela diz vale por uma aula sobre como pesquisar, como perceber questões, apresentá-las e por elas se guiar. Vejam:

O livro A estética da multidão de Barbara Szaniecki, recém publicado pela Editora Civilização Brasileira, usando o conceito de multidão de Antonio Negri e Michael Hardt, estuda a prática da produção de cartazes políticos. "Como o poder se representa? Quais são as fórmulas que usa em sua representação? É possível distinguir elementos que se mantém constantes ao longo da história? E a resistência ao poder usa os mesmos códigos? Usa outros? Quais? Foram essas entre outras as questões que nortearam a minha pesquisa", afirma a pesquisadora. "O meu interesse era investigar o cartaz político contemporâneo, numa concepção ampla: cartazes tradicionais mas também cartazes de internet e, sobretudo, as imagens políticas que colorem as manifestações globais, como aquelas contra a guerra do Iraque".

Pois é. Assim se faz pesquisa.

Nenhum comentário: