terça-feira, 31 de julho de 2007

16. "Artes Plásticas no Nordeste": Ana Mae Barbosa


Flora Noturna. Antônio Bandeira (Fortaleza, 1922-Paris,1967)



O texto integra a Revista Estudos Avançados e é de 1997. Nele, Ana Mae Barbosa faz uma análise das artes plásticas no nordeste, mostrando a 'diáspora' de artistas e intelectuais nos anos da última ditadura, situação que os levou a se espalhar pelo Rio e S. Paulo, cidades, para ela, mais abertas aos literatos do que aos artistas plásticos nordestinos. Cita Cícero Dias e Antônio Bandeira, que acabaram imigrando para a Europa, e Vera Novis, crítica de arte nordestina, que a muito custo conseguiu publicar um livro sobre Antònio Dias, reconhecido como um inovador, mas excluído das divulgações publicitárias "dos críticos que ditam a moda". Um trecho do artigo:

"A obra de artistas como Carlos Oswald, Aloísio Magalhães ou Lula Cardoso Ayres vai ter que esperar por outros teimosos críticos, fora do circuito dominante, como Vera, ou virar tese de algum estudante de pós-graduação para terem os livros e/ou as retrospectivas que merecem. Espero que não demore tanto tempo como no caso de Vicente do Rego Monteiro, o mais original dos modernistas brasileiros. Tendo-se em vista que originalidade era um dos valores máximos do Modernismo, demorou muito para que sua obra atingisse um patamar além do mero reconhecimento. Isto só se deu na década de 70 porque o poder nas Artes Plásticas naquela época estava nas mãos de um homem sem preconceitos, um historiador de olhar plural, Walter Zanini, que organizou uma inesquecível retrospectiva de Rego Monteiro no MAC-USP."

Leia mais em:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40141997000100013&script=sci_arttext

Nenhum comentário: